Os últimos dois meses não foram fáceis para Nelson Oliveira, que se “estreou” a partir ossos no Paris-Roubaix – foi o fim de um raro privilégio numa profissão que exige sacrifícios importantes ao corpo.
Depois de duas semanas parado, vieram os rolos: “Houve momentos frustrantes, quando comecei a fazer rolos não conseguia chegar com o braço esquerdo ao guiador, foi preciso arranjarmos um extensor adaptado para estar mais alto. Felizmente já posso ir para a estrada e cada dia me sinto melhor.
O corredor da Movistar conseguiu conservar as boas pernas que tinha em março e fez as últimas afinações para o Criterium de Dauphiné treinando duas semanas na altitude de Serra Nevada. “Para quem esteve tanto tempo parado as sensações nem são más. No Dauphiné o líder, a priori, será o Dani Moreno, que fez 3º em 2013. Eu poderei acusar alguma falta de ritmo. Temos cronoescalada logo a abrir... não vai ser um dia fácil”, explica Nelson Oliveira.
Ciclismo
Camisolas arco-íris em jogo nos Campeonatos do Mundo de Ciclismo de Estrada
17/09/2021 AT 12:18
Uma boa semana nos Alpes pode ditar a terceira presença consecutiva no Tour de France, para o qual a Movistar pré-selecionou o português: “Se for é porque estarei preparado. Seria um gosto trabalhar para o Nairo Quintana e ajudá-lo a ganhar o Tour. Aí está tudo bem definido, ele é o líder.
Precisamente o colombiano é o grande ausente do Dauphiné, optando por repetir a fórmula de 2015 e correr apenas Route du Sud antes do Tour. “Parece-me que o Nairo opta por chegar nas melhores condições possíveis e com a Route du Sud tem suficiente. É menos desgastante do que Dauphiné ou Volta à Suíça, sobretudo no Dauphiné, que é quase um mini Tour, apesar de haver algum tempo de recuperação”, analisa.
Para trás já ficou o grande 2015 do corredor de Anadia, que se estreou a vencer em grandes Voltas. O que mudou? “Quando se ganha, depois de tantos anos a treinar para isso, de tantos sacrifícios, é bom saber que também somos capazes de ganhar. Até porque há centenas de profissionais e são quase sempre os mesmos que vencem; é muito difícil ganhar no estrangeiro”, conta Nelson Oliveira para rematar a conversa.
O prólogo do Criterium du Dauphiné vai para o ar no domingo, às 12:30, no Eurosport 2. Durante a semana o direto passa para o Eurosport 1, com as etapas a começarem às 15:00 horas.
Ciclismo
Começa uma nova época do PGA Tour para seguir no Eurosport
15/09/2021 AT 17:13
Ciclismo
Volta ao Luxemburgo com João Almeida abre semana de muito ciclismo no Eurosport
14/09/2021 AT 11:04