Como se previa, esta quarta-feira foi um dia de muitas mexidas na classificação geral da Volta a Espanha 2015. A 11ª, a etapa “rainha” disputada nos Pirinéus trouxe um novo líder mas também algumas quedas e incidentes que mancharam a tirada.
A Astana foi a estrela do dia, com Mikel Landa a ser o vencedor da etapa e com Fabio Aru, segundo a cortar a meta, a subir à liderança da prova, destronando Tom Dumoulin, da Giant-Alpecin. Landa conquistou pela primeira vez um triunfo na Vuelta, depois de já ter no currículo duas etapas na Volta a Itália.
A ligação entre Andorra-a-Velha e Cortals d’Encamp, de 138 quilómetros, começou logo com a queda de Chris Froome, o vencedor da Volta a França. O britânico da Sky caiu sozinho e disse adeus a qualquer hipótese de vencer a prova, tendo perdido quase nove minutos na geral.
Ciclismo
Muito mais ciclismo feminino em 2022 e a Volta a França para coroar a aposta Eurosport
15/10/2021 AT 17:04
Sérgio Paulinho (Tinkoff-Saxo) foi outra das vítimas do dia. O ciclista português foi abalroado por uma mota da TVE e teve de ser transportado para o hospital, onde foi suturado na perna com 17 pontos.

Mikel Landa, ganador de la etapa de La Vuelta en Andorra

Image credit: EFE

Nelson Oliveira (Lampre) esteve inserido na fuga de 19 homens que se formou bem cedo, a 110 km da meta, onde Landa estava também. O ciclista português teve um dia positivo, terminando na 11ª posição, a 3.04 minutos do vencedor.
"Esta foi sem dúvida uma das etapas mais duras que já fiz. Era um constante sobe e desce e num dia como estes é como que uma benção ir na fuga, pois gere-se melhor o esforço. Tenho vindo a trabalhar arduamente para evoluir na montanha e hoje tive muito boas sensações. Depois do Tour não sabia como o corpo iria reagir ao desgaste da Vuelta mas, para já, estou em boa forma. Não sei quais são os meus limites mas espero continuar a ter bons desempenhos", confessou Nelson Oliveira depois da etapa.
Mikel Landa manteve-se na frente, a partir da última subida que coincidiu com a meta em Cortals d’Encamp, seguido por Fabio Aru, a a 1.22 minutos, para terminarem nas duas primeiras posições.
Aru destronou da liderança da geral Tom Dumoulin (Giant-Alpecin), que caiu para a terceira posição, a 2.59. Joaquim Rodriguez (Katusha) cedeu 1.59 minutos e Alejandro Valverde (Movistar) está agora a 3.04 do italiano da Astana.
Quanto aos restantes portugueses em prova, André Cardoso mantém o 17.º lugar, a 10.19, José Gonçalves é 36.º, a 33.21 e Nelson Oliveira 37.º, a 33.24. Mais atrás, Ricardo Vilela segue em 45.º, a 52.26, e Tiago Machado em 48.º, a 56.48.
Classificação geral após a 11.ª etapa:
1 Fabio Aru (Ita) Astana Pro Team 43:12:19
2 Joaquim Rodriguez (Spa) Team Katusha 0:00:27
3 Tom Dumoulin (Ned) Team Giant-Alpecin 0:00:30
4 Rafal Majka (Pol) Tinkoff-Saxo 0:01:28
5 Esteban Chaves (Col) Orica GreenEdge 0:01:29
6 Alejandro Valverde (Spa) Movistar Team 0:01:52
7 Daniel Moreno Fernandez (Spa) Team Katusha 0:01:54
8 Mikel Nieve (Spa) Team Sky 0:01:58
9Nairo Quintana (Col) Movistar Team 0:03:07
10 Louis Meintjes (RSA) MTN - Qhubeka 0:04:15
Ciclismo
Grandes provas de ciclismo durante toda a semana
06/10/2021 AT 19:13
Ciclismo
Paris-Roubaix, o Inferno do Norte, está em dose dupla no fim de semana em direto no Eurosport
30/09/2021 AT 11:17