A zanga de Kei Kamara com Federico Higuaín terá sido o culminar de uma sensação de desconforto que ameaçava o balneário dos Columbus Crew, que não esperaram para ver até onde se prolongaria a situação, enviando o avançado para New England. É uma mudança de casa que acaba, também, por mudar o panorama dos favoritos a Este, onde os Revolution têm agora mais armas para atacar a presença no playoff. Mas quem é sensação, para já, são os New York City, que ao fim de três vitórias consecutivas chegam ao primeiro lugar da sua Conferência. Finalmente, visita ao BMO Field, onde Toronto FC e Vancouver Whitecaps fizeram o jogo mais louco da semana.
Zangado com os Crew, Kamara é Revolution

Kei Kamara (Columbus Crew)

Image credit: Imago

Futebol
"Amando a Maradona"
18/12/2020 AT 14:01
Publicamente, tudo começou na partida entre os Columbus Crew e os Montreal Impact, quando Kei Kamara e Federico Higuaín se envolveram em discussão por causa da marcação de uma grande penalidade. O avançado da Serra Leoa não ficou satisfeito e acabou mesmo por fazer algumas declarações nada abonatórias sobre o seu colega. Suspenso pelo clube, nos bastidores começaram logo as movimentações para procurar uma nova casa para Kamara.
Os New England Revolution pareciam ser o destino perfeito. Desesperadamente à procura de um homem-golo para complementar um meio-campo muito criativo, a equipa de New England tinha também meios disponíveis para fazer uma oferta concreta. Dinheiro que pode ser investido no Tecto Salarial dos Crew, escolhas no Draft de 2017 e 2018, um lugar internacional no plantel de 2016, foi isto que a equipa enviou para o Ohio.
Em troca, recebe um ponta-de-lança que não perdeu tempo a utilizar. Camisola 9 e titularidade frente aos Chicago Fire, ainda sem golos, mas já com vitórias. A equipa dos Revs é agora uma das favoritas a chegar longe nesta temporada. Faltava-lhe um jogador de área e dificilmente poderia desejar melhor. A nível defensivo, há ainda aspetos a melhorar, mas a época é longa e não será de espantar ver New England estar activo em mais trocas na próxima janela de transferências.
Olhem só quem está em primeiro!
Numa Liga onde o equilíbrio é a nota principal, três vitórias consecutivas podem fazer milagres. E, para quem viu os New York City no início da temporada, é de um milagre que se trata. A equipa de Patrick Vieira demorou a encontrar a sua identidade, mas transformou-se rapidamente num conjunto de mentalidade europeia, fruto da enorme experiência das suas principais referências.
Com Pirlo a jogar, agora, como um 8 que pensa o jogo e organiza o ataque, mas não precisa de ser um corredor de fundo na referência defensiva da intermediária, a equipa começou a ganhar um fôlego que não tinha até aqui. Esta semana foi Mikey Lopez a surgir como pivô defensivo e a mostrar que, tanto ele, como Federico Bravo, podem bem fechar os caminhos para a sua área. Aí, Josh Saunders voltou a ser decisivo na baliza, enquanto no outro extremo do campo é David Villa, apoiado pelo génio criativo de Tommy McNamara quem vai fazendo as delícias dos adeptos do City.
Em Portland, a equipa mostrou as facetas que a tornam uma ameaça para a concorrência. Fria e calculista na forma como aborda o jogo, gerindo os ritmos da partida tomando conta da bola e buscando a profundidade como a sua principal arma, acelerou quando precisou de chegar ao golo e travou os ímpetos do adversário na reação. Nos minutos finais, não teve o mínimo pejo em abdicar do ataque e foi com a linha defensiva preenchida que afastou os Timbers do empate. Pode não ser o estilo mais bonito, mas New York tem eficácia para dar e vender.
Sete golos em dérbi canadiano

Hlts Toronto FC - Vancouver Whitecaps

Image credit: Eurosport

Ao segundo jogo em casa, no renovado BMO Field, os Toronto FC provaram o sabor da derrota. E não foi frente a uma equipa qualquer, mas sim perante um rival canadiano, os Vancouver Whitecaps, num jogo que abriu com a equipa visitante a fazer miséria numa linha defensiva adormecida. Kekuta Manneh abriu o marcador à passagem dos 12 minutos, para Christian Bolaños aumentar a vantagem ainda antes dos 20.
Sebastian Giovinco (who else?) reduziria antes do intervalo, para conseguir empatar a contenda aos 66 minutos. Mas Kekuta Manneh estava endiabrado e, depois de colocar os Whitecaps em vantagem aos 70 minutos, assistiu Pedro Morales para o quarto tento da equipa dois minutos depois. Drew Moor ainda teve tempo para reduzir, finalizando um pontapé de canto marcado por Giovinco, mas os últimos dez minutos não trouxeram mais golos, indo a vitória para Vancouver, agora com três jogos consecutivos sempre a ganhar.
MLS nos canais Eurosport!
Esta semana a dose dupla será no sábado, no Eurosport 2, a partir das 20 horas. Começamos com o dérbi entre os New York City e os New York Red Bulls, seguido de confronto entre os últimos classificados de cada Conferência, Chicago Fire e Houston Dynamo.
Já na noite de domingo para segunda-feira, a partir da meia-noite, seguimos o dérbi da Califórnia, entre Los Angeles Galaxy e San Jose Earthquakes, no Eurosport 1.
Call it Soccer!
Futebol
Eurosport estreia prémio futebolista "Star of the Year"
11/12/2020 AT 12:37
Futebol
24 Horas de Le Mans virtuais para ver no Eurosport numa semana com muito desporto motorizado
05/06/2020 AT 10:33